Há dez anos, o autor Umair Haque ( The New Economics of Media) lançou um manifesto endereçado à indústria da informação. O artigo, que reflete sobre a produção de conteúdo para públicos específicos, permanece relevante. Por isso, republico meu texto sobre o tema.

***

Segundo Haque, o século 21 traz uma nova dinâmica social. E o estilo de notícia do século passado não se encaixa nessa sociedade em transição. O futuro aponta para micromídia. A lógica dessas publicações não é simplesmente apresentar os meios tradicionais de comunicação numa nova embalagem. …


Únicos, livres, pacifistas, ativistas, felizes e dançam o todo tempo. Com base em ideias generalistas, o banco de imagens Dissolve e a agência And/Or criaram um meta-anúncio que brinca com os clichês associados aos millennials.


Acima, playlist com todos os episódios do programa Expresso Futuro. Apresentado pelo sempre antenado Ronaldo Lemos, o programa investiga como a tecnologia transforma nosso cotidiano. Cidades inteligentes; relacionamentos em tempos de hiperconexão; o futuro do trabalho; moedas virtuais; democracia e tecnologia; realidade virtual; ativismo na internet; arte e tecnologia e realidade virtual são alguns dos temas apresentados.

Com abordagem acessível, Expresso Futuro vai além do didatismo ao propor questões pertinentes. Por exemplo, no programa sobre inteligência artificial, Lemos questiona: como ensinar dilemas morais para as máquinas? Empregos serão perdidos por causa da inteligência artificial? Os dados que alimentam a AI tem como base ideias preconceitas? Assistentes virtuais, ao usarem predominantemente vozes femininas, não estariam perpetuando esteriótipos de gêneros?


O Instagram lançou uma campanha com 26 vídeos para divulgar o Stories, seu recurso de atualizações temporárias. Os curtas, exibidos nos cinemas dos EUA, Itália e Alemanha, mostram como o uso criativo do app Boomerang e de emojis pode gerar boas sacadas.

Além dos vídeos, a agência Wieden + Kennedy Amsterdam também espalhou a mensagem em outdoors e no mobiliário urbano, como estações de metrô e paradas de ônibus.

Se ficou interessado em ir além do básico, o The Verge elaborou um tutorial bem detalhado do Instagram Stories.

Em menos de um ano, o clone do Snapchat já superou sua “inspiração”. Em junho, 250 milhões de usuários acessavam diariamente o Instagram Stories. O Snapchat declarou, em fevereiro, ter 158 milhões de usuários.


Há pouco mais de um ano, era lançada a série Stranger Things. Acompanhar como esse programa chegou ao topo pode nos ajudar a compreender a produção cultural contemporânea.

Como uma série rejeitada mais de 15 vezes pela mídia tradicional conseguiu esse patamar de reconhecimento? A resposta padrão aponta para a análise da volumosa quantidade de dados que a Netflix coleta dos seus clientes. A própria empresa admite a influência dos números nas suas decisões. Segundo a Netflix, algoritmos representam 70% da equação.

A Netflix acrescenta, porém, que o Big data não é o único ingrediente para criar séries de sucesso…


A Radiotopia é uma rede de podcasts cujo conteúdo mistura fatos e ficção. O episódio sobre chats eróticos (The Superchat), do podcast Love + Radio, é um bom exemplo da fórmula do coletivo.

Como fonte de renda, a Radiotopia depende de patrocínios (35% no ano passado), crowdfunding e doações diretas (47%), e filantropia (17%).

Além da Radiotopia, outras redes de podcast populares nos EUA são a Earwolf e Nerdist. Apesar da boa estrutura, que permite ao criador focar no conteúdo do programa, enquanto outras pessoas pensam na parte financeira, nem todos estão felizes com a ideia de rede de podcasts.


Trabalhar com um público segmentado. Textos curtos, de até 100 caracteres. Usar frases que sugerem ação, como “solicite mais informações” ou “solicite uma amostra”. Imagens e vídeos também funcionam. Mais dicas aqui.


Thomas Dimson, engenheiro de software do Instagram, explicou, no evento Machine Learning @Scale 2017, quais critérios direcionam o feed de atividades do app. Com a adoção do algoritmo, os contatos que aparecem com mais frequência no Instagram são:

- Pessoas cujo conteúdo você curte costumeiramente;
— Pessoas com quem trocou mensagens diretas (DM);
— Pessoas que você procurou no sistema de busca;
— Pessoas que você conhece na “vida real”.

Ou seja, o que conta são as diversas formas de interação, não necessariamente o número de seguidores. Embora muito criticado em seu lançamento, o algoritmo surgiu para apresentar o que…


Após concentrarem seus esforços nos millennials (ou geração Y), os publicitários agora observam a ascensão de outro grupo, a geração Z. Formado por pessoas nascidas entre 1996 e 2010, essa geração passeia pelo mundo digital desde cedo. Ou seja, não precisaram fazer a transição de um mundo dominado por tecnologias analógicas para o ciberespaço.

A Adweek, em parceria com a Defy Media, mapeou os hábitos de consumo de mídia desse grupo. Entre as preferências, os mesmos campeões de audiência. Mas a posição ocupada no ranking revela dados interessantes.

Para quem tem entre 13–20 anos, o YouTube reina absoluto: 95% dos…


O big data está cada mais vez presente nas reuniões de pauta. Há quem diga que ele já assumiu como editor das publicações. Segundo a Columbia Journalism Review, duas visões dominam os debates.

Alguns criticam a importâcia das métricas pois evidenciar as escolhas do público faz com que assuntos importantes percam espaço para temas fúteis.

Por outro lado, defensores explicam que orientar decisões editorias a partir de dados cria um sistema mais democrático no ciclo de produção da notícia: os interesses do leitor passam a ser mais importantes que as preferências dos jornalistas.

Cadé

Content Creator & Digital Strategist.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store